‘Tom na Fazenda’ é um dos destaques do FIT Rio Preto neste sábado, 6

'Tom na Fazenda' é um dos destaques do FIT Rio Preto neste sábado, 6.
Nerina - A Ovelha Negra - Caca Diniz.

O premiado espetáculo “Tom na Fazenda”, que aborda a inabilidade do ser humano para lidar com o preconceito, a impotência, a violência e o fracasso, é um dos destaques do Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto/ SP (FIT Rio Preto) deste sábado, dia 6/7.

A peça, baseada na obra Tom à la Farme, do autor canadense Michel Marc Bouchard, será apresentada às 19h, no Teatro Municipal Paulo Moura. Ainda há ingressos disponíveis.

Idealizada pelo ator e produtor Armando Babaioff, que também assina a tradução, a montagem tem direção de Rodrigo Portella e traz no elenco Analu Prestes, Gustavo Vaz e Camila Nhary, além do próprio Babaioff.
Em cena, o publicitário Tom (Armando Babaioff) vai à fazenda da família para o funeral de seu companheiro e descobre que a sogra (Analu Prestes) nunca tinha ouvido falar dele e tampouco sabia que o filho era gay. Nesse ambiente rural e austero, Tom é envolvido numa trama de mentiras criada pelo truculento irmão (Gustavo Vaz) do falecido, estabelecendo com aquela família relações de complicada dependência. A fazenda, aos poucos, vira cenário de um jogo perigoso, onde quanto mais os personagens se aproximam, maior a sombra de suas contradições.

Outro destaque deste sábado é “Domínio Público”, com os artistas Elisabete Finger, Maikon K, Renata Carvalho e Wagner Schwartz, que se juntam para uma reflexão a partir dos ataques conservadores que sofreram em 2017. A apresentação será no teatro do Sesc, às 19h. Os ingressos estão esgotados.
Wagner Schwartz, em sua performance “La Bête”, oferece seu corpo nu para ser dobrado e desdobrado pelo público — revisitando a proposta das esculturas Bichos, de Lygia Clark. Em sua apresentação no MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo, o performer foi tocado por uma criança, acompanhada por sua mãe. Um recorte em vídeo deste momento foi manipulado por grupos conservadores e viralizado nas redes sociais, atribuindo ao artista o título de “pedófilo”.

Elisabete Finger, coreógrafa e mãe da criança que participou de “La Bête”, sofreu uma avalanche de acusações e ameaças, em meio a inquéritos policiais e interrogatórios políticos, que colocaram em questão o papel da mulher, da mãe, do público e da artista.

Maikon K, em sua performance “DNA de DAN”, fica nu e imóvel dentro de uma bolha transparente. Na apresentação em frente ao Museu Nacional da República, em Brasília, teve seu cenário danificado e foi detido pela polícia militar sob a acusação de ato obsceno.

Renata Carvalho, atriz, teve sua peça — “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” — censurada, e foi impedida de se apresentar por ser uma transexual e interpretar Jesus Cristo.

Tomando como ponto de partida um dos ícones da história da arte, a Monalisa, eles revelam como uma obra pode ser utilizada em diferentes narrativas ao longo do tempo, incitando as mais diversas reações, espelhando os fatos e incongruências de nossa sociedade.

De graça

Neste sábado, o público poderá conferir três espetáculos gratuitos dentro da programação do festival, dois de rua e um para todos os públicos. Às 11h, o Núcleo Aqui Mesmo apresenta |entre|ladeiras na Praça Rui Barbosa.
Às 15h, o espetáculo “Nerina – A Ovelha Negra”, da Maracujá Laboratório de Artes, será encenado no Teatro Valdemar de Oliveira Verdi – Sesi. Os ingressos são grátis e serão distribuídos com uma hora de antecedência. O musical retrata a batalha travada por uma sagaz ovelhinha negra contra o preconceito. Nerina é uma ovelha negra que quer apenas fazer parte de um rebanho. Acontece que as demais ovelhas, todas brancas, se recusam a aceitá-la. Na solidão de sua caminhada, Nerina vive uma série de aventuras, entre elas, enfrentar um lobo faminto que, muito perspicaz, resolve usá-la para emboscar as outras ovelhas.

O Parque Ecológico Danilo Santos de Miranda será palco da intervenção urbana “Mão Translação da Casa pela Paisagem”, do Coletivo Mão, do Rio de Janeiro, às 16h30. Os artistas constroem ao vivo uma estrutura de oito metros de altura. A obra fala sobre a cooperação, a força do trabalho coletivo e o comprometimento.

Outros espetáculos
Neste sábado, também ainda no FIT “Buraquinhos ou o Vento é Inimigo de Picumã”, às 21h30, no Teatro Municipal Humberto Sinibaldi; “Hearing”, às 21h30, no Ginásio do Sesc, e “Por favor Cierra La Puerta, Gracias”, às 19h, no espaço alternativo Casa. Os três estão com ingressos esgotados.

Graneleiro

Abrindo a noite no Graneleiro, neste sábado, às 23h, será apresentada a obra “Corpomáquina”, da rio-pretense Robo.art. Com duração de 40 minutos, o trabalho foi selecionado pela curadoria do FIT para compor a grade do Módulo B, da Cena Rio Preto. A entrada é gratuita e o ingresso deve ser retirado a partir das 15h, na bilheteria do FIT na Swift.

O Graneleiro também traz neste sábado a Festa Sopa, com discotecagem de Armando Babaioff e Marcello H.; performance show da MC Aretha Sadick, além de show de Mateus Carrilho, que traz uma temática pop em um universo brasileiro, tropical, colorido e focado na diversão do público e fãs que o acompanham em seu novo formato de show.

FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO – FIT RIO PRETO

De 4 a 13 de julho – São José do Rio Preto – SP/Brasil
Realização: Prefeitura Municipal de São José do Rio Preto e Sesc São Paulo
Programação completa no site fitriopreto.com.br

Facebook Comments