Partículas de queimada são encontradas em água de chuva preta em São Paulo

As análises afirmam que partículas provenientes de queimada estão presentes mais que o normal na água da chuva

Partículas de queimada são encontradas em água de chuva preta em São Paulo
Crédito da foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo

Após forte nebulosidade cobrir São Paulo e região, análises foram feitas nas águas da chuva de cor escura, coletada pelos moradores de São Paulo. As análises afirmam que partículas provenientes de queimada estão presentes mais que o normal na água da chuva.

O Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), identificou na água da chuva desta segunda-feira (19), a presença de uma substância proveniente da queima de biomassa, referente a queimadas.

Já a análise feita pela Universidade Municipal de São Caetano (USCS), indica que a fuligem encontrada na água é sete vezes maior do que a registrada em chuvas normais, além da presença de sulfetos 10 vezes superior à média. Além disso, a fuligem proveniente da queimada pode conter substâncias tóxicas.

De acordo com o professor Theotonio Pauliquevis, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a fumaça das queimadas atingiu as nuvens que já estavam na cidade, sendo absorvida pelas nuvens, a fuligem, originando a chuva “preta”.

Entenda a nebulosidade no estado de São Paulo em paralelo a queimada

A cidade de São Paulo teve o céu coberto por nuvens escuras na tarde desta segunda-feira (19) e o dia virou noite. O ocorrido é proveniente da chegada de uma frente fria, em paralelo a partículas de fumaça produzidas em incêndios florestais.

Parte deste material veio da Amazônia brasileira, que está em chamas há duas semanas, se estendendo pelo Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, trazendo as fuligens que atingiu todo o estado de São Paulo, escurecendo o estado às 15h da tarde desta segunda-feira (19).

Facebook Comments