Cidades do interior de São Paulo sentem impacto com saída dos Médicos Cubanos do Brasil

Os médicos cubanos já finalizaram o atendimento na rede pública de diversas cidades no Interior Paulista e estão deixando as cidades. Junto com os médicos estão indo embora milhares de atendimentos que poderiam estar sendo realizados e a população está sentindo o impacto desta mudança.

Saem do estado de São Paulo 1394 médicos cubanos. A região do Vale do Paraíba perde 110 profissionais. 23 médicos deixam Araçatuba, Olímpia 23 e assim por diante.

O fato é que as unidades UBS e UPAs perderam uma parte do quadro de funcionários e não consegue atender a demanda da população. Embora o edital para a contratação de novos profissionais esteja aberto,eles começarão a atuar nas redes públicas somente no dia 03 de dezembro, durante os próximos dias o atendimento nas unidades que contavam com os serviços dos médicos cubanos ficará deficiente.

Horas extras estão sendo oferecidas aos médicos brasileiros que atuam na saúde pública, no intuito de sanar a falta dos profissionais que deixaram de atender, no entanto, de acordo com as leis trabalhistas fica a escolha do médico trabalhar ou não fora do expediente.

Mais Médicos

O programa Mais Médicos contava com 18.240 profissionais, que atuavam em 4 mil municípios no país, onde 34 distritos eram indígenas. 63 milhões de brasileiros se beneficiavam desde 2013, com a atendimento dos médicos cubanos.

A Saída do Médicos Cubanos do Brasil

O governo de Cuba decidiu retirar os profissionais cubanos do programa Mais Médicos no Brasil, após declarações feitas pelo Presidente da República recém-eleito, Jair Bolsonaro:

“Qualquer estrangeiro vindo trabalhar aqui na área de medicina tem que aplicar o Revalida. Se você for para qualquer país do mundo, também. Nós não podemos botar gente de Cuba aqui sem o mínimo de comprovação de que eles realmente saibam o exercício da profissão. Você não pode, só porque o pobre que é atendido por eles, botar pessoas que talvez não tenham qualificação para tal.” Disse Bolsonaro.

“Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou.”

Para resolver a crise na saúde pública o presidente atual Michel Temer, autorizou a abertura de um edital “Mais Médicos”, cujo o objetivo é a contratação de médicos, estes brasileiros, que deverão ocupar o lugar dos cubanos.

Close