18 Julho 2024

Banco Central do Brasil diz que atividade mais forte eleva estimativas de inflação

2 min read

O Banco Central do Brasil afirmou na quinta-feira que uma atividade mais forte do que a esperada é a principal razão por trás de suas projeções de inflação mais altas, um dos fatores que o levou a interromper os cortes na taxa de juros no início deste mês.

Em seu relatório trimestral de inflação, o Banco Central aumentou sua previsão de crescimento econômico para 2024 de 1,9% em março para 2,3%.

De acordo com o Banco Central, a mudança seguiu um desempenho econômico mais robusto no primeiro trimestre, acompanhado por uma queda no desemprego e aumento dos salários.

Embora as enchentes históricas do mês passado no estado mais ao sul do Brasil, Rio Grande do Sul, tenham causado uma queda econômica significativa na região, os formuladores de políticas disseram que sinais de recuperação já eram visíveis.

No relatório, enfatizaram que suas projeções de inflação – agora em 4,0% para este ano, 3,4% em 2025 e 3,2% em 2026, contra uma meta oficial de 3% – foram principalmente aumentadas devido à atividade mais forte do que a esperada, o que levou a uma mudança na estimativa do hiato do produto.

O Banco Central indicou na semana passada que o hiato do produto, uma medida do equilíbrio econômico entre oferta e demanda, estava agora “em torno da neutralidade” em comparação com uma leve negatividade anteriormente, o que significa que não vê mais ociosidade na maior economia da América Latina.

No início deste mês, o banco manteve as taxas de juros em 10,50%, interrompendo um ciclo de flexibilização após reduzir os custos de empréstimos em um total de 325 pontos base desde agosto.

Segundo os formuladores de políticas, as projeções de inflação mais altas também foram influenciadas pelo aumento das expectativas de inflação do mercado, pela depreciação da moeda, pela inércia das projeções de curto prazo e por uma taxa de juros neutra mais alta.

Eles haviam divulgado anteriormente que a taxa de juros neutra, que nem estimula nem esfria a atividade econômica, foi elevada de 4,5% para 4,75%.

Os formuladores de políticas também observaram que a inflação nos três meses até maio foi 14 pontos base mais alta do que o esperado, principalmente devido à pressão sobre os preços dos alimentos. O mesmo fator levou a uma revisão da expectativa de inflação para junho para 0,33%, de 0,15% anteriormente.