29 Maio 2024

Presidente Macron denuncia aprisionamento do embaixador francês pela junta militar no Níger

2 min read

O Presidente francês, Emmanuel Macron, expressou preocupação nesta sexta-feira sobre a situação do embaixador francês no Níger, Sylvain Itté, que, segundo ele, está retido “literalmente refém, na embaixada”, desde que militares tomaram o poder em 26 de julho e colocaram o Presidente Mohamed Bazoum sob prisão domiciliária.

Macron destacou que a entrega de suprimentos à embaixada foi proibida e que as pessoas presas no edifício estão se alimentando apenas de “rações militares”. Ele fez essas declarações durante uma visita a Semur-en-Auxois, no centro-leste da França.

A junta militar que assumiu o controle do país proibiu a entrega de alimentos à embaixada e não permite que o embaixador saia do prédio. Sylvain Itté é considerado “persona non grata” pelos militares e está impedido de se alimentar adequadamente.

Após as declarações de Macron, a ministra dos Negócios Estrangeiros, Catherine Colonna, afirmou que Sylvain Itté está “trabalhando” e que permanecerá em seu posto enquanto o Presidente o solicitar, devido à sua utilidade devido aos seus contatos e equipe.

Na quinta-feira, Paris anunciou a libertação de Stéphane Jullien, um conselheiro da embaixada, cuja detenção havia sido denunciada em 12 de setembro. Sylvain Itté estava desaparecido há duas semanas, mas acredita-se que ele ainda está no Níger, resistindo à ordem de expulsão emitida pela junta militar.

Em relação ao possível repatriamento do embaixador e outros diplomatas, Macron afirmou que tomará medidas em coordenação com o Presidente Bazoum, que continua sendo a autoridade legítima no Níger, e com quem mantém contato diário.

A França, como antiga potência colonial do Níger, mantém uma força de 1500 soldados no país, distribuídos por três bases, com a missão de combater os grupos armados islamitas que ameaçam a região do Sahel. No entanto, apoiadores da junta têm protestado contra a presença militar francesa e exigido sua retirada. Negociações estão em andamento para um possível retorno das forças francesas a Paris, apesar de o governo de Macron não reconhecer a autoridade dos militares que assumiram o poder no Níger.

Emmanuel Macron enfatizou que qualquer decisão sobre a missão da França no Níger será tomada com base no acordo ou no pedido do Presidente Bazoum. Antes do golpe de Estado, o Níger era um dos principais aliados da França na luta contra o terrorismo islâmico na região do Sahel.